EVAPOTRANSPIRAÇÃO A PARTIR DE PRODUTOS ORBITAIS PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Autores

  • Allan Werner dos Anjos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas
  • Rafael Coll Delgado Professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ Área: Meteorologia e Climatologia Instituto de Florestas - IF / Departamento de Ciências Ambientais - DCA Coordenador do PPG em Ciências Ambientais e Florestais (www.if.ufrrj.br/pgcaf) Endereço: Rodovia BR 465, km 07 Seropédica - RJ CEP: 23890-000 Rafael Coll Delgado Tel (21) 8529-2204 http://lattes.cnpq.br/1178948690201659
  • Gustavo Bastos Lyra Professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ Área: Meteorologia e Climatologia Instituto de Florestas - IF / Departamento de Ciências Ambientais - DCA
  • Leonardo Paula de Souza Professor da Universidade Federal do Acre, Campus Floresta, Cruzeiro do Sul, AC.
  • Eduardo Ribeiro Suhett IBGE/DGC/PARADA DE LUCAS, RIO DE JANEIRO

DOI:

https://doi.org/10.15809/irriga.2016v1n01p126-140

Resumo

EVAPOTRANSPIRAÇÃO A PARTIR DE PRODUTOS ORBITAIS PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

 

 

ALLAN WERNER DOS ANJOS1; RAFAEL COLL DELGADO2; GUSTAVO BASTOS LYRA2; LEONARDO PAULA DE SOUZA3 E EDUARDO RIBEIRO SUHETT4

 

1Engenheiro Florestal, Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ, Campus UFRRJ, 23897-000, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, e-mail: allanwerner28@hotmail.com

2Meteorologistas, Professores Doutores do Departamento de Ciências Ambientais, Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ, Campus UFRRJ, 23897-000, Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil, e-mail: rafaelcolldelgado32@gmail.com;  gblyra@ufrrj.br

3Engenheiro Agrícola, Professor Doutor do Centro de Ciências Biológicas e da Natureza, Rio Branco, Acre, Brasil, e-mail: leonardo.acre@gmail.com    

4Engenheiro Florestal, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE/DGC, Parada de Lucas, Rio de Janeiro, Brasil, eduardo.suhett@ibge.gov.br

 

 

1 RESUMO

 

Devido à preocupação com a qualidade e quantidade de água disponível para o consumo humano, é importante o manejo correto dos recursos hídricos, proporcionando uma melhor eficiência na absorção de água pelas plantas. O presente trabalho, tem como objetivo estimar a Evapotranspiração (ET) a partir do sensor MODIS por meio da validação do modelo proposto por Nagler et al. (2005), correlacionar com valores obtidos por Estações Meteorológicas de Superfície (EMS) situadas no estado do Rio de Janeiro para o ano de 2003, e por fim, comparar com diferentes coberturas do solo para cada estação do ano. A análise estatística apresentou resultados satisfatórios dos valores de ET obtidos pelo sensor MODIS, porém é importante que haja uma maior representatividade das EMS no estado para estudos futuros. Para a EMS de Maricá houve uma melhor correlação (r² = 0,78, r = 0,88, d = 0,49, EPE = 0,13 mm d-1 e VM = -0,09 mm d-1), podendo estar relacionado às condições climáticas próximas à região de onde o modelo de ET foi desenvolvido. A distribuição espacial dos valores de ET foi comparada com base na sazonalidade, sendo que o período de verão apresentou ET mais elevada (7,82 mm d-1). Para o inverno, houve menor amplitude dos valores de ET, atingindo o máximo de 5,83 mm d-1. Os resultados servem como subsídio para estimativas de demanda hídrica da vegetação, como também para estudos de produtividade de fitomassa e mudança da paisagem.

 

Palavras-chave: sensoriamento remoto, geoprocessamento, MODIS, Penman-Monteith.

 

 

ANJOS, A. W.; DELGADO, R. C.; LYRA, G. B.; SOUZA, L. P.; SUHETT, E. R. 

EVAPOTRANSPIRATION FROM ORBITAL PRODUCTS TO THE STATE OF RIO DE JANEIRO

 

 

2 ABSTRACT

Because of concerns about the quality and quantity of water available for human consumption, the correct management of water resources is important, providing better efficiency in the absorption of water by plants. This work aims to estimate the Evapotranspiration (ET) from the MODIS sensor by validating the model proposed by NAGLER et al. (2005), correlate with values obtained by Surface Weather Stations (SWS) located in the state of Rio de Janeiro in 2003, and compare with different ground covers for each season. Statistical analysis showed satisfactory values of ET obtained by the MODIS results, however it is important to have a greater representation of SWS in the state for future studies. For Maricá SWS there was a better correlation (r ² = 0.78, r = 0.88, d = 0.49, EPE = 0.13 mm d-1 and VM = -0.09 mm d-1), which may be related to the closeness of a region where the climate model was developed ET. The spatial distribution of ET values were compared based on seasonal aspects, with the summer period presenting higher ET (7.82 mm d-1). For winter, a lower range of ET values , reaching a maximum of 5.83 mm d-1 was observed The results serve as input for estimates of water demand of vegetation, but also for studies of productivity and biomass change of scenery.

 

Keywords: remote sensing, geoprocessing, MODIS, Penman-Monteith.

Biografia do Autor

Allan Werner dos Anjos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas

Engenharia Florestal da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), foi o terceiro a ser instalado no País, reconhecido pelo Decreto n° 1984 de 10 de janeiro de 1963 e seu funcionamento teve início em 1967.

Na estrutura universitária, o Instituto de Florestas é o responsável direto pela formação profissional do Engenheiro Florestal, de Mestres e Doutores em Ciências Ambientais e Florestais, além de oferecer disciplinas para outras formações profissionais dos demais cursos da UFRRJ.

Rafael Coll Delgado, Professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ Área: Meteorologia e Climatologia Instituto de Florestas - IF / Departamento de Ciências Ambientais - DCA Coordenador do PPG em Ciências Ambientais e Florestais (www.if.ufrrj.br/pgcaf) Endereço: Rodovia BR 465, km 07 Seropédica - RJ CEP: 23890-000 Rafael Coll Delgado Tel (21) 8529-2204 http://lattes.cnpq.br/1178948690201659

O Curso de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais, vinculado aoInstituto de Florestas da UFRRJ, foi criado em 1993 nível de mestrado. Desde então, vem, continuadamente, demonstrando a sua importância dentro da área científica do estado do Rio de Janeiro. O corpo docente é altamente qualificado, sendo que a maioria dos docentes vem obtendo financiamento para seus projetos, indicando o reconhecimento por parte das agências de fomento. Com a consolidação das linhas de pesquisa do curso de mestrado e a necessidade de atender a demanda para formação de doutores na área de Ciência Florestal no Estado, foi criado em 2004 o curso de Doutorado, sendo a primeira turma iniciada em março de 2005. O Programa é o único nessa área de conhecimento no Estado do Rio.

Atualmente, o Programa conta com três áreas de concentração: Conservação da Natureza e Ciência e Tecnologia de Produtos Florestais e Silvicultura e Manejo Florestal. Na área de conservação da natureza, existem três linhas de pesquisa que se ocupam com projetos envolvendo a ecologia e conservação da fauna e dos ecossistemas florestais, principalmente da Mata Atlântica, projetos de recuperação de áreas degradadas, Impactos ambientais e planejamento ambiental. Na área de Ciência e Tecnologia de Produtos Florestais existem duas linhas de pesquisa envolvendo a madeira e seus subprodutos, como: Produtos reconstituídos de madeira, aproveitamento de resíduos, preservação de madeira, qualidade da madeira e tecnologia de adesivos para madeira e derivados. Na área de Silvicultura e Manejo Florestal existem três linhas de pesquisa envolvendo a produção de sementes e mudas de espécies florestais, implantação de povoamentos florestais e geotecnologia aplicada aos recursos naturais.

Gustavo Bastos Lyra, Professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ Área: Meteorologia e Climatologia Instituto de Florestas - IF / Departamento de Ciências Ambientais - DCA

O Departamento tem a missão desenvolver e difundir o conhecimento e promover a formação de cidadãos e de profissionais comprometidos com a Educação Ambiental e conseqüentemente com a vida, na busca de uma sociedade sustentável.

O DCA é o Departamento que atende maior numero de alunos no Instituto de Florestas, é formado por três áreas: Ecologia, Conservação de Recursos Naturais e Meteorologia. Oferece disciplinas para os cursos de graduação em Engenharia Florestal, Engenharia Agronômica, Engenharia Agrimensura, Engenharia Agrícola, Engenharia Química, Química Industrial, Licenciatura em Química, Arquitetura, Ciências Agrícolas, Ciências Biológicas (Licenciatura e Bacharelado em Ecologia), Geologia, Medicina Veterinária, Zootecnia. Na pós Graduação, Mantém um curso de Especialização em Ciências Ambientais, o CECA (em reestruturação) e oferece disciplinas para o Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais (Mestrado e Doutorado).

Downloads

Publicado

2018-06-18